AVEIRO: DESCANSE EM PAZ MESTRE GALDINO PALMEIRA

AVEIRO: DESCANSE EM PAZ MESTRE GALDINO PALMEIRA

0 880
SENHOR FRANCISCO GALDINO PALMEIRA - 18/04/1944 À 22/11/2017
Com a senhora Iacy, homenageando-a em seu aniversário

Em um momento como este, não há muitas palavras para serem ditas, talvez um abraço e a presença sejam o melhor que alguém possa exprimir, contudo, não posso ficar em silêncio, sinto a necessidade de ser mais do que um gesto, preciso assinar minha atitude com um abraço, um beijo e algumas palavras.

Infelizmente, todos nós temos o mesmo destino, e ninguém parte antes ou depois do momento correto, tudo acontece no tempo devido. Não compreendemos e por isso, muitas vezes nos revoltamos com a vida, contudo, o arquiteto de nossa existência sabe exatamente até onde podemos ir.

Não podemos questionar as razões, temos que apenas aceitar as coisas da melhor maneira possível, não adianta brigarmos, lutarmos, nada trará a pessoa de volta. Ela partiu para o descanso, cumpriu seus afazeres neste plano, agora tudo que ela precisa é continuar em outro lugar e, com certeza, não deixará de olhar para quem ficou para trás.

Nosso tempo continua, ficamos com a saudade e com o sentimento de não podermos fazer nada a respeito, a não ser, como disse, aceitar… Sei que a saudade é fresca e, que agora nada melhor que um abraço e “estou aqui”, mas, como disse, não quero ser apenas uma palavra de incentivo, quero ser muito mais do que isso.

Com esposa, filhos nora e netos

Por isso, não se esqueça de que estarei por perto, para lhe ajudar da melhor maneira possível, sei que o momento é delicado, mas sozinho ninguém chega a lugar algum, por isso, eis aqui minha mão, pode usar meus ouvidos, eu tentarei encontrar alguma palavra que possa acalmar seu coração.

Eu estou aqui! Não somente para tentar lhe consolar com alguma palavra, mas também caso precisa de algo mais, eu não tenho todas as respostas do mundo e não sei por que a vida tem que ser assim… Podemos achar que é injusta em alguns momentos, contudo, mal sabemos o que acontecerá amanhã, imagine a razão de infelicidades…

Tudo que precisamos fazer neste momento é continuar, tentar da melhor maneira aceitar o que não compreendemos, pois agora tudo parece uma incógnita, porém, no momento certo, entenderemos os porquês de algumas lágrimas… Agora a ferida está sangrando e por isso, tudo que posso dizer é:

Família em dia de festa

Estou aqui meu caro amigo, eu sei que, às vezes, a vida parece difícil, mas você não estará sozinho para superar mais este obstáculo em sua existência… Apenas basta chamar pelo meu nome e eu estarei por perto. (Desconhecido)

Com esse texto, a senhora Elenice da Paixão Santos da Costa, marido e filho, vem demonstrar seus sentimentos de solidariedade à família Palmeira, uma família tradicional naquele município, desejando força e serenidade para os amigos de tantos anos, já que hoje, pela vontade do Senhor nosso Deus, foi levado o patriarca senhor GALDINO PALMEIRA, que já algum tempo vinha sofrendo com problema pulmonar e hoje veio a falecer. FRANCISCO GALDINO PALMEIRA, nascido em 18 de abril de 1944, em Aveiro, no Estado do Pará, filho de Maria Serafina Ribeiro e Luís Palmeira, casado com a senhora Iacy de Brito Palmeira, e que através dessa união, nasceu os filhos: Idiney, Irley, Ivoney e Laciley. Foi um torcedor fanático do Palmeiras. Era proprietário da Farmácia Nossa Senhora da Conceição, sempre atendendo seus clientes com muita presteza, e sempre disposto a ajudar os mais necessitados. Um homem honrado, de um caráter ímpar, de muito bom humor e sempre gentil com aqueles que o procuravam. Todos os anos, em frente de sua residência, sempre prestou a sua homenagem especial à sua Santa de devoção Nossa Senhora da Conceição, com muitos fogos e louvores. Um grande pai de família, respeitado por todos que o conheciam. Há tá… Torcedor fanático do CONCEIÇÃO ESPORTE CLUBE. Um aviso para a família: “AQUELES QUE AMAMOS NUNCA MORREM, APENAS PARTEM ANTES DE NÓS”.

Fotografias: Arquivo da família