AVEIRO: VACINAS SÃO ARMAS EFICAZES PARA PREVENIR DOENÇAS

AVEIRO: VACINAS SÃO ARMAS EFICAZES PARA PREVENIR DOENÇAS

0 408
UNIDADE DE SAÚDE NA SEDE DO MUNICÍPIO
Chefe de Gabinete Rômulo Alves, dando o exemplo e se prevenindo contra a febre amarela
ENFERMEIRAS FAZENDO ATENDIMENTO À POPULAÇÃO

Devido os vários surtos de doenças que proliferam o nosso País, Estados e municípios, principalmente nessa época de chuvas constantes, o Prefeito Vilson Gonçalves, preocupado com a segurança e imunização de seus munícipes, juntamente com a sua Vice, Conce Santiago e Chefe de Gabinete Rômulo Alves, alerta a população, para a importância de ser vacinado, para assegurar a imunização e evitar contágio que possa vir prejudicar à sua saúde e contrair doenças. O Chefe de Gabinete Rômulo Alves, nos informou que na Unidade de Saúde, na sede do município, as vacinas estão à disposição e quem tiver interesse é só procurar aquele local, onde encontrará as profissionais que estão de plantão, e que os atenderão com eficiência, competência e educação. Veja a seguir, um pouco do porque, e para que é necessário as vacinas:   O Brasil é um dos países que oferece o maior número de vacinas à população, disponibilizando mais de 300 milhões de doses. A vacinação é uma das medidas mais importantes de prevenção contra doenças. É muito melhor e mais fácil prevenir uma enfermidade do que tratá-la, e é isso que as vacinas fazem. A vacinação não apenas protege aqueles que recebem a vacina, mas também ajuda a comunidade como um todo. Quanto mais pessoas de uma comunidade ficar protegidas, menor é a chance de qualquer uma delas – vacinada ou não – seja contaminada. No Brasil, existe o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde. Em 40 anos de existência, o PNI se destacou por ser um dos melhores programas de imunização do mundo e vem atuando na ampliação da prevenção, no combate ao controle e erradicação de doenças, além de disponibilizar diversas vacinas à população. São oferecidos, gratuitamente, 42 tipos de imunobiológicos utilizados na prevenção e/ou tratamento de doenças, incluindo 25 vacinas. Atualmente, o Brasil é um dos países que oferece o maior número de vacinas à população, disponibilizando mais de 300 milhões de doses anuais de imunobiológicos, entre vacinas, soros e imunoglobulinas. Atualmente, 96% das vacinas oferecidas no Sistema Único de Saúde (SUS) são produzidas no Brasil ou estão em processo de transferência. Isso porque o País tem um parque produtor de vacinas e imunobiológicos.  É importante destacar que as vacinas não são necessárias apenas na infância. Os idosos precisam se proteger contra gripe, pneumonia e tétano, e as mulheres em idade fértil devem tomar vacinas contra rubéola e tétano, que, se ocorrerem enquanto elas estiverem grávidas (rubéola) ou logo após o parto (tétano), podem causar doenças graves ou até a morte de seus bebês. Os profissionais de saúde, as pessoas que viajam muito e outros grupos de pessoas, com características específicas, também têm recomendações para tomarem certas vacinas.

Prevenção

Além da erradicação de doenças, o PNI vem controlando, por meio da vacinação, o tétano neonatal, formas graves da tuberculose, difteria, tétano acidental e coqueluche. O Ministério da Saúde realiza três campanhas fixas (contra poliomielite, de atualização da caderneta, influenza) por ano para incentivar e conscientizar a população sobre a importância da vacina, especialmente aos grupos prioritários, entre esses as crianças. A cobertura vacinal, nos últimos dez anos, foi de 95%, na média, para a maioria das vacinas do calendário infantil e em campanhas.

O esforço para imunizar a população está dando resultados. O Brasil alcançou a erradicação da poliomielite e da varíola, e a eliminação da circulação do vírus autóctone do sarampo, desde 2000, e da rubéola, desde 2009. Também foi registrada queda acentuada nos casos e incidências das doenças imunopreveníveis, como as meningites por meningococo, difteria, tétano neonatal, entre outras.

Fiocruz garante autossuficiência em vacinas

A produção de vacinas está no DNA da Fiocruz. Quando Oswaldo Cruz deu início a Fundação com a criação do Instituto Soroterápico Federal, seu objetivo era o de erradicar a peste bubônica e a febre amarela através da produção de vacinas e soros para a população fluminense.

Atualmente, a Fiocruz garante a autossuficiência em vacinas essenciais para o calendário básico de imunização do Ministério da Saúde. A produção é feita pelo Complexo Tecnológico de Vacinas do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz), voltado basicamente à produção de vacinas para DTP e Hib, febre amarela, Haemophilus influenzae tipo B (Hib), meingite A e C, poliomielite e tríplice viral.

É importante, porém, esclarecer que Biomanguinhos apenas produz essas vacinas, sem, no entanto, aplicá-las. A Fiocruz só aplica vacinas para populações/situações especiais (não previstas no calendário vacinal oficial); transplantados; outros imunodeprimidos e viajantes. Para ser atendido é preciso agendar horário, ter um encaminhamento médico e ser referenciado por meio da ficha de encaminhamento do Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie).

Fonte:

Fundação Oswaldo Cruz

Artigos similares