FAMÍLIAS DA RESEX TAPAJÓS-ARAPIUNS RECEBEM TREINAMENTO PARA INCREMENTAR ALIMENTAÇÃO COM PLANTAS ALTERNATIVAS

FAMÍLIAS DA RESEX TAPAJÓS-ARAPIUNS RECEBEM TREINAMENTO PARA INCREMENTAR ALIMENTAÇÃO COM PLANTAS ALTERNATIVAS

0 203
HORA DA DEGUSTAÇÃO...
Espécies são apresentadas e caracterizadas às famílias
Momento de preparo de alimentos a partir de plantas alimentícias não convencionais

Atividade está no contexto do serviço de assistência técnica e extensão rural executado com recursos do INCRA. Há uma diversidade de frutas, folhas, sementes, flores e raízes que estão disponíveis na Amazônia e ainda são pouco utilizadas para a alimentação, tais como moringa e ora-pro-nobis. Conhecer e aproveitar, de forma sustentável, as riquezas que a floresta oferece é parte do trabalho do serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) que é desenvolvido na Reserva Extrativista (Resex) Tapajós-Arapiuns, a partir de recursos disponibilizados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Quinze comunidades desta Unidade de Conservação (UC) ambiental, situadas no município de Santarém (PA), são atendidas pelo Centro de Apoio a Projetos de Ação Comunitária (CEAPAC), que executa o trabalho a partir de contrato com o INCRA.

A primeira oficina sobre Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) foi realizada com moradores da comunidade São Pedro, nos dias 9 e 10 de agosto. A atividade foi concebida a pedido das próprias famílias.

Salada multimistura com ingredientes extraídos de mais de 20 espécies de plantas diferentes
Diversos pratos preparados com folha de vinagreira, folhas de moringa, ora-pro-nobis e mangará de bananeira

Inicialmente, técnicos de ATER do CEAPAC acompanharam as famílias numa caminhada pela comunidade, com o fim de identificar as plantas não convencionais comestíveis que já existem na região e fazer a coleta de amostras.

Já num barracão da localidade, foram repassadas aos comunitários informações relativas às características das espécies coletadas e outras trazidas pela equipe do CEAPAC, ao uso e aos benefícios que elas promovem à saúde. Algumas das plantas apresentadas durante a oficina são ricas em proteínas, ferro e vitaminas como, por exemplo, a folha da moringa ou da ora-pro-nobis.

A etapa seguinte da capacitação foi o preparo e a degustação de pratos a partir das plantas, como doces, saladas, sucos, chás, refogados e pães.

 Salada multimistura com ingredientes extraídos de mais de 20 espécies de plantas diferentes Momento de preparo de alimentos a partir de plantas alimentícias não convencionais Momento de degustação

Crédito: CEAPAC Espécies são apresentadas e caracterizadas às famílias Diversas pratos preparados com folha de vinagreira, folhas de moringa, ora-pro-nobis e mangará de bananeira Lista das receitas preparadas.

 Crédito: CEAPAC

A oficina encerrou com a distribuição de mudas e sementes de plantas alimentícias não convencionais, com o objetivo de ampliar a presença delas na região. Na ocasião, foram repassadas orientações para o plantio. Nas próximas visitas técnicas nas unidades familiares, os técnicos poderão acompanhar diretamente o plantio dessas plantas, como também as outras atividades produtivas das famílias.

A programação foi organizada por Harald Weinert, coordenador da equipe de ATER do CEAPAC e Alessandra Monteiro, técnica da equipe.

A próxima oficina sobre plantas alimentícias não convencionais está marcada para o período de 30 de agosto a 1º de setembro, na comunidade Anã.

Lista das receitas preparadas

O contrato

Atualmente, o CEAPAC atende a 742 famílias de 15 comunidades e aldeias da margem direita do Médio a Baixo Arapiuns, como parte do contrato com o INCRA, que iniciou em 2014, com duração de 30 meses e, em abril deste ano, foi prorrogado até final de 2018.

Embora seja uma unidade de conservação ambiental, a Resex Tapajós-Arapiuns possui famílias reconhecidas pelo INCRA, o que as torna beneficiárias de políticas públicas que também são ofertadas a assentados da reforma agrária. Isso é possível graças a um acordo firmado entre o então Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) – hoje Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário – e o Ministério do Meio Ambiente (MMA).

A comunidade

São Pedro fica na região do Médio Arapiuns, a cerca de oito horas de barco da área urbana de Santarém. Com cerca de 150 famílias, é uma das maiores comunidades da Resex Tapajós Arapiuns. Possui microssistema de abastecimento de água, energia elétrica durante quatro horas por dia por meio de grupo gerador, escola de ensino fundamental e médio modular, telecentro com acesso à internet e centro de saúde. No local, também funciona uma rádio comunitária FM.

FONTE: INCRA/OESTE DO PARÁ